Mais Poesia

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Poema feito com muito carinho para homenagear duas pessoas queridas que estavam encerrando uma linda jornada de trabalho na Acelbra de SC.

O tempo, tão passageiro
Nos faz ter a impressão
De que momentos vividos
Passarão em vão
Mas ele se torna eterno
Quando aquilo que vivemos
É extremamente belo
Por cada detalhe de uma experiência
Por cada pessoa que fez parte de uma vivência
E ficarão na lembrança
Nos dando sempre a esperança 
De mais dias coloridos
E cheios de sorrisos
É como se o tempo tivesse parado
Com a certeza de que foi muito bem aproveitado
É o tempo de cada um de nós
Que nunca passa
E deixa em nossas vidas
Esse ar de graça



Aline Madruga

Dramátca

É tempo de decidir
Quem fica e quem sai da minha vida
Observando quem sente ou não falta na minha partida
É meio dramático
Mas cansa quando você se importa de mais
E para os outros tanto faz

Aline Madruga

Que Essência?

Quem nega sua essência
Vive de aparência
E acaba se acostumando com isso
Vira um vício
Perde a referência
Do que um dia foi puro
Preso na infância

Aline Madruga



A Cansada Apaixonada

Ela cuidava tanto dos outros
Se dedicava tão somente ao que estava ao seu redor
Que começou a se sentir só
Tão só
Que quando lhe preparavam um café
Na hora se apaixonava
Assim como era apaixonada pela vida
Pela correria
Pelas tarefas que fazia
Estava tão carente
Estava cansada
Mas não sabia mais viver de outro jeito

Aline Madruga

Não Dá

Como faço pra gostar de alguém 
que nunca tem nada de bom pra falar?
Como faço pra manter alguém no meu coração
que muitas vezes causa destruição?
Como faço para querer sua presença
se independente de estar ou não
O que prevalece é a ausência?
Como mantenho a confiança
se suas mentiras me tiram a esperança?
O pouco convívio é um martírio.
As fofocas e as intrigas, 
o mau jeito de tratar,
a amargura no olhar.
Sinto muito...
Não dá!

Aline Madruga




sábado, 14 de janeiro de 2017

O Que Ela Sente

Acho que entendo o que ela sente
Por causa de tantos olhares de lado
Tanto julgamento errado
Tantos argumentos pesados
Ela ficou com seu peito sufocado
Ela se cansou de se sentir assim
E revelou um outro lado, enfim...
Parou de se esconder
E se sentiu livre para viver
Sem se importar com mais ninguém
Pois só ela sabe o que passou 
E quase ninguém se importou
A compreensiva e apreensiva
Ficou lasciva e destemida
E é muito mais feliz
Não leva mais desaforo para casa
Não se faz mais de surda
E acredite, respeitam mais ela agora
Assim, maquiavélica
Do que quando ela agia como uma delicada donzela

Aline Madruga

Tristeza

Há alguma beleza
Em sentir tristeza
Me faz enxergar poesia
Até onde não caberia
Transforma em dúvidas
As minhas certezas
E num breve momento
Melhora meu dia
Me tirando daquele sentimento tolo
E mesmo na solidão 
Consigo um pouco de consolo

Aline Madruga

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Arrogância

A arrogância me faz ter implicância
No jeito de andar, de pensar, de falar
Ela sempre vai me incomodar
Uma pessoa arrogante 
Se sente tão confiante
Que olha os outros de forma pedante
Seu objetivo é julgar e criticar
Sua vaidade é capaz de sufocar
E vive em conflito por algo que quer aparentar
O importante é ter razão
E se achar superior a qualquer um que julgue estar no chão


Aline Madruga

Me Leva

Amor
Me leva pra longe daqui
Aonde eu possa me ouvir
Sem as interferências dessa multidão
Sem a influência do camuflado ao lado
Eu quero ser quem sou
Sem me preocupar com a aprovação de quem mais errou
Me tira da zona de proteção
Quero ser o que eu quiser sem avaliação
Tira esse ar de cobrança
Quanto mais tento, mais julgamento
Quero leveza
Sem cobrança defeituosa
Sem a imagem da alma orgulhosa
Me leva porque com você me sinto aceita
Sinto que a porta fica menos estreita
Fico transparente e evidente
Trocamos críticas que são ouvidas
Fazemos carinho que são retribuídos
Você me dá o retorno
Daquilo que em outros cantos
Fica esquecido

Aline Madruga

Abstraiu e Se Iludiu

E ao abstrair
Não sabia que em algum outro canto
Algo se enchia em pranto
Por que tanto?

Foi questão de tempo
Pra virar novamente tormento
Por dentro estava cheio
E nem estava sabendo

A ilusão se desfez
E fez aparecer tudo outra vez
O intocável
Se tornou notável

O mundo te cobra 
Te pede melhoria
Enquanto todo o resto 
Continua sem sabedoria

A paciência virou imprudência
O sentimento ficou em evidência
A sensação de invisibilidade
Tão coerente que invade

O bonzinho se ferra
A gentileza atrai esperteza
O bom grado atrai o acomodado
O altruísta quer se tornar egoísta

Pensa que talvez tudo
Tenha sido em vão
Percorreu tanto chão
E se perdeu na multidão

Aline Madruga









segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Desejo

Meu corpo te pede por inteiro

Sem tirar nem por

Eu sinto de longe teu desejo

E te entrego meu amor

                                                  Aline Madruga

domingo, 8 de janeiro de 2017

Poema feito sob encomenda para um casal apaixonado de Florianópolis

Foi por acaso
Que o nosso caso 
Virou paixão 
Eu nem sabia que você existia
E num engano muito bom
Na minha vida você deu o tom
Palavras trocadas
Construíram um castelo
E quando me dei conta
Meu mundo ficou mais belo
De melhor amigo
À melhor marido
De confidente
Ao meu sorriso mais contente
Minha maior certeza
No nosso amor há fruto e beleza
Há verdade e continuidade 
Pois sem você 
Sou apenas metade

Aline Madruga

O Novo Todo Dia

Quando a novidade se reinventa
O que era para virar rotina
Ainda te anima
O que, talvez, poderia parecer monótono 
Vira brilho para os olhos
O que, algumas vezes, tem repetição 
E mesmo assim te alegra e faz sentir emoção
Eleva sua criatividade
E te dá intimidade com as verdades
Aí sim, você pode dizer
Que encontrou o lugar certo 
Para o seu coração viver

Aline Madruga