Mais Poesia

sábado, 17 de setembro de 2016

Não Tenho Costume

Não tenho costume de manter algo que não me faz bem.
Em pouco tempo me come por dentro,
e sentimentos confusos vêm.
O que antes encaixava, não encaixa mais.
O que fluía como água, vira poeira brava.
O que parecia ser tão simples, com a mesma simplicidade se complica.
Um pequeno contratempo, vira briga.
E pronto, já basta para não querer isso na minha vida.
Vira uma bola de neve.
Os problemas aparecem.
Minha energia acaba
e minha boca cala.
Vou mudar a sintonia,
me encher de alegria,
transformar em algo bom o que me feria.
Eu sabia que não me acostumaria!

Aline Madruga

Nenhum comentário: