Mais Poesia

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Sobre a Felicidade

Sobre a felicidade
Eu sei de algumas verdades
É sorrir pelo fato de estar vivo
É ter a mesa rodeada de família e amigos
É sempre acreditar que tudo tem um lado positivo
É não esperar que algo aconteça
Ou chegar a uma certa idade para ser feliz
É achar graça dos erros cometidos
E fazer algo para melhorar
Sabendo que alguém lá em cima irá te abençoar
É não criar expectativas sobre ninguém
Mas exceder as expectativas dos outros te fará bem
É abraçar as pessoas
É chegar em casa e ser recebido com miados e latidos
E tem coisas que te farão feliz 
Que eu ainda não fiz
Eu só sei que a gente precisa de muito pouco para isso
Basta fazer o que você gosta
E deixar de lado a vaidade
O preconceito
Fugir da maldade
E das ideias impostas, pela sociedade

Aline Madruga

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

A Morte

Eu consigo me preparar para uma prova
Para uma reunião 
Para um encontro de perdão
Para um exame importante
Para algum tratamento que seja necessário
Para discutir um assunto delicado
Mas nunca vou conseguir me preparar para a morte
Nem para a minha
Nem para a de alguém querido
De alguém que amo
Ou até de um desconhecido 
Que se foi e deixou muitos de coração partido
Ela chega e nos deixa sem norte
Até que o tempo com sua sabedoria nos conforte
Mas ela deixa aquele vazio
Que corre para sempre como corre o rio
E deixa dúvidas
Algumas conseguimos interpretar
Outras continuamos a questionar
E, quando não é mais dor, vira saudade
Que às vezes também dói
É verdade
Para a morte
Nunca vou conseguir me preparar
Nem a vida me ensinará


Aline Madruga


terça-feira, 27 de setembro de 2016

Vovó Helena

Menina mimada
Bonita e inteligente
Conversar com ela
Te fazia conhecer sempre uma história diferente

Tem a da dona baratinha
E a do rato que caiu na panela
Sobre mitologia, ela era rainha
E depois da história ganhava um abraço dela

Os lanchinhos eram seu carinho
Com fotos de família espalhadas pela cama
Gustavo Kuerten era seu ídolo
Espalhafatosa e cheirosa
Quase sempre em seu ninho

Muitas lembranças para contar
Com ela aprendi que perdoar
Pra mim, não era um desafio
E logo voltei a subir as escadas
Com cheiro de flores no caminho

De alguém que eu amo muito
Sempre recebeu muito cuidado e atenção
Foi vovó e "bivovó"
E sempre estará no meu coração
Só vou guardar as coisas boas como recordação

Aline Madruga

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Te Quero Nesse Momento

Eu te quero num fim de tarde
Com o pôr do sol
Enquanto estão todos lá fora acelerados
Correndo para chegar em casa

Te quero no sofá
Grande e confortável
Com a televisão ligada no volume baixo
A janela quase toda coberta pela cortina

Tô te querendo faz tempo
Naquela hora que está tudo um caos
Mas nossos lençóis são brancos
Perfumados e meio emaranhados

Eu quero você
Num dia atípico
Sem hora para acabar
Com início, meio e gemido


Aline Madruga

terça-feira, 20 de setembro de 2016

O Que Você Faz em Mim

Seu abraço preenche o pedaço que falta em mim
Sua mão toca na parte que eu me esqueci
Seus olhos me fazem ver o que parei de enxergar
Sua boca fala as palavras que eu sempre quis escutar
Seus pés me fazem ir a lugares que eu nunca conheci
Seu sorriso  me lembra todos os dias que eu te amei desde o primeiro dia em que te vi


Aline Madruga

sábado, 17 de setembro de 2016

Não Tenho Costume

Não tenho costume de manter algo que não me faz bem.
Em pouco tempo me come por dentro,
e sentimentos confusos vêm.
O que antes encaixava, não encaixa mais.
O que fluía como água, vira poeira brava.
O que parecia ser tão simples, com a mesma simplicidade se complica.
Um pequeno contratempo, vira briga.
E pronto, já basta para não querer isso na minha vida.
Vira uma bola de neve.
Os problemas aparecem.
Minha energia acaba
e minha boca cala.
Vou mudar a sintonia,
me encher de alegria,
transformar em algo bom o que me feria.
Eu sabia que não me acostumaria!

Aline Madruga

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Sobre Escrever

Eu não escrevo esperando aplausos
Nem a aproximação de amigos falsos
Eu não escrevo em busca de elogios
Sempre aparecerão críticas de todos os tipos
Eu não escrevo esperando aprovação
Apenas ponho pra fora o que, naquele momento, está no meu coração
É um desabafo
Uma inspiração
Algo que observei
Ao ouvir uma canção
É expor uma saudade
Num pedaço de papel
É uma forma de me expressar
E de tocar o céu


Aline Madruga



sábado, 10 de setembro de 2016

A Melhor Saída

Com tantas portas para abrir
Ela escolheu sair pela janela
O mundo lhe ofereceu suas opções
Mas esqueceu de tentar entender o que ela realmente queria
Fizeram ela achar que aquele era o limite
Só que ela cresceu e conseguiu enxergar
Que o limite só existe para os limitados
Que ela pode decidir os próprios passos
Sem se achar um fracasso
E hoje ela se sente forte por pensar assim
Pois consegue desfrutar da felicidade de verdade
E não só na capa
Por fora
Pela metade
Ela sentiu
E por sentir, já bastava


Aline Madruga

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Paredes

Mudas e surdas
Pareciam as paredes
Mas foram as que mais me ouviram muitas vezes
Minha voz ecoava pelos cantos
Meu peito apertado doía tanto
Chorava agoniada, soluçando
Pedindo para que a dor parasse, suplicando
Entre o teto e o chão
Não havia espaço
Meus olhos sem saber para onde olhar
Se fecharam
E comecei a me acalmar
Finalmente o sono iria chegar
E dali em diante
Tudo ficaria como antes
Mesmo que com sentimentos inconstantes
Não mais as paredes
Mas os  sonhos seriam meus acompanhantes

Aline Madruga

sábado, 3 de setembro de 2016

Gratidão

Sou grata
Por cada verde que vejo lá fora
Por cada raio de sol que se demora
Por cada brisa que bate em meu rosto
Por cada gota de chuva que enche um poço
Por cada terra vermelha que suja meus pés
Por todos meus amigos fiéis
Por qualquer notícia boa no jornal
Por saber que o bem sempre vence o mal
Por todas as vezes que respondem meu bom dia
Por cada sorriso que dei com alegria
Por ainda existirem muitas pessoas boas no mundo
Por conhecer alguém a fundo
Por ver em pequenas coisas, beleza
Por todas as vezes que tirei alguém da tristeza
Pela chance que tenho de ser melhor todo dia
Pela estrela no céu que brilha
Pelo café quentinho
Pelas oportunidades que aparecem no caminho
Por todas as vezes que comemorei
Por todas as vezes que não me enganei
Pela vida
Pela noite e pelo dia
E eu tenho uma vasta lista para falar de gratidão
Todo dia uma lição
Sou grata, de coração!


Aline Madruga









quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Onde Há Beleza

A beleza está nas palavras
No encontro marcado
No amor correspondido
No suspirar sossegado
No cabelo entre os dedos
Na superação de medos
A beleza está em pequenos detalhes
Em momentos espalhados
Que passam batido
Por corações foragidos
A beleza está por aí
Basta parar e sentir

Aline Madruga


Caos

Explicações oriundas
Para pessoas moribundas
Seguindo padrões
Perdendo tempo
Com pobres definições
Sem importância
Aumentando a intolerância
Sem fundamento
Fugindo do tempo
Olhando pro lado errado
Do que menos importa
Todos hipnotizados
No auge da loucura
Cada vez mais fanáticos e cegos
Já era, foram pegos
Mentes fechadas
Almas algemadas
Quem vê de fora
Se apavora e chora
Tá virando um grande caos
E insistem em contaminar
Os que ainda conseguem pensar
Com suas próprias cabeças
Com opiniões diversas
Abertos à novas ideias
Que aceitam os outros
Sem revolta
Refletindo e analisando sempre
Sobre tudo o que acontece ao seu redor
Não deixando a sua mente
Virar nó

Aline Madruga