Mais Poesia

sábado, 23 de abril de 2016

E se...

E se...

Há um grande conflito
entre aquilo que vejo
e aquilo que nos impõem a ver.
Sim! Impõem!

E se eu gosto do que vejo no espelho,
mas acho que não gosto
porque um dia me disseram
o jeito que deveria ser?

E se eu gosto de fazer algo,
mas acho que não gosto
porque um dia me disseram
que não é legal?

E se eu penso uma coisa,
mas tento mudar o que penso
porque em algum momento
me disseram pra não pensar?

E se de repente,
eu me desprendo
e me arrependo
por ter perdido tanto tempo,
às vezes, me escondendo
de onde eu deveria estar?

E foi aí que eu vi,
que o tempo que eu vivi,
com poucos eu pude ser
o que eu realmente
queria ser.

E é com essas pessoas
que eu levo a vida numa boa
e sou o que eu sou
sem medo de ninguém gostar.

Porque quando se é amado,
tudo deixa de ser um fardo
e o meu paraíso posso tocar.

E assim aprendo a ser,
um pedacinho do céu
pra mim e pra você.
E pra todas as pessoas
que na minha vida entrar.

Goste de você
porque assim
eu vou te achar legal.
Independente das suas crenças,
coisa e tal.

Seja autêntico,
mas não invente moda.
Afinal, quando se inventa muito,
já passou do ponto,
já fechou-se a porta.

Aline Madruga

quarta-feira, 20 de abril de 2016

O Canto

Meu canto
É em cada canto
Que eu ouvir o seu canto

Mesmo que no canto tenha poeira
Eu vou encarar como besteira
Como coisa passageira

Qualquer cantinho com você
Faz meu sorriso aparecer
Por isso eu canto, canto e canto

Até amanhã e depois
Seremos sempre nós dois
E mais dois
E quantos outros quiserem chegar

Nosso canto cabe mais
Que os quatro cantos do mundo
Que o canto mais profundo
Eu te amo lá do fundo

Aline Madruga




quinta-feira, 14 de abril de 2016

A Minha Fé

Eu não tenho medo do desconhecido
Eu tenho medo de viver igual
Ao que todo mundo já viveu
A mesmice normal

A comparação é a pior maneira
De achar a solução
Porque no final
Vou ouvir meu coração

Não cabe a mim
Não cabe a você
Certas coisas
Só Deus vai saber

Não importa se você sentiu
Ou viveu algo
Cada pessoa tem seu próprio jeito de andar
De sentir, de olhar
Melhor não julgar

Quem julga, julga mal
E desconfio que haja pouca fé
Porque o que for bom pra mim
Vai dar pé

E vou alcançar
E todas as dificuldades vou superar
A Deus vou agradecer
Por mais uma vez me proteger

Aline Madruga


Longe de Você

Só eu sei o que é ficar longe de você
Só eu sei a falta que você vai fazer
Vou passar a contar os segundos até te encontrar
Vou ficar muito ansiosa a te esperar

Por aí, muitas histórias vou ouvir
De gente tentando me consolar
Ou até me impressionar
Mas eu nem vou ligar

Porque na verdade
Nada disso vai me aliviar
A saudade vai continuar a aumentar
E os segundos, ainda estarei a contar

Muitas preocupações as pessoas vão me mostrar
E exemplos de vida vão me dar
Mas pra mim tanto faz
Só eu sei a falta que você faz

O mais importante de tudo
É estar perto de você
Junto com os frutos
Que fizemos crescer

Agora vamos ter que aguentar
Até esse período acabar
E o dia todo grudados
Poderemos ficar
Do jeito que fico a sonhar


Aline Madruga


segunda-feira, 11 de abril de 2016

Imã de Gente Louca

Ando atraindo gente louca!
Antes fosse maluco beleza,
eu gostaria com certeza.
Deve ser carência,
falta de inteligência
ou só indecência.
Só sei que não tá legal.
Pode ser meu inferno astral.
Eu queria um pretexto,
pra mostrar
sua falta de interpretação de texto.
Numa conversa,
numa pequena fala.
Mas, minha boca cala.
Trava!
E fica sem saber,
como mandar
você
se
fo-der.

Aline Madruga


Miados e Latidos

Entre tapas e patadas
As pessoas vão vivendo
Enquanto por aqui
Marcas de patinhas
Pelo chão
Vão se fazendo

Anjinhos sem asas
Miados e latidos
Linguagem dos meus amigos
Os melhores
Eu te digo

Uns vem 
Outros se vão
Mas na minha vida
Eles sempre passarão

Com um olhar
Conseguem expressar
Tudo o que muitas vezes
Ficamos a vida toda
A tentar

Aline Madruga

sábado, 9 de abril de 2016

Meus Pais

Eles me ensinaram o que é o amor
Desde as minhas primeiras horas de vida
Desde quando eu estava na barriga
Muito tempo antes de eu existir

Me ensinaram a amar
Da melhor forma possível
Esse amor incrível
Que só um pai e uma mãe podem dar

Um amor leal
Sempre me protegendo de todo mal
Um amor que não tem igual
Que levanta qualquer astral

Amor reconfortante
Limpo, claro e certo
Sempre com o coração aberto
O peito sempre cheio de afeto

Posso passar horas agradecendo
E ainda assim vou ficar devendo
Todo cuidado que tiveram comigo
E ainda tem...amo admitir

Sou filhinha de papai
Filhinha de mamãe
O maior orgulho dizer isso
Num poema
Quase cantado
Que ocupa o maior espaço
No meu coração

Aline Madruga



quarta-feira, 6 de abril de 2016

Fanatismo

O problema do fanático, é que qualquer opinião que seja diferente da dele, o ofende. Ele se sente atacado, sem nem ao menos ser o alvo. O fanatismo cega e faz a pessoa achar que é o centro do mundo e que a sua opinião vai mudar as pessoas. Ou pelo menos tenta.

domingo, 3 de abril de 2016

Meus Irmãos

Cada um escolheu a sua cidade
Em busca da felicidade
Um pra lá e outro pra cá
Mas o que importa
É o que tá aqui
Aqui no coração
É esse amor de irmão
Não é só por causa do sangue não
É um lance que transcende a imensidão
Não tem explicação
É pura emoção
O poema é só força de expressão
O sentir é o único jeito
De saber o que vai dentro do peito
Não tem jeito
É amor 
Amor
E amor
Só amor
Muito amor!

Aline Madruga

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Fica Na Sua

Ei menina, fica na sua
Falar demais faz você sentir
Como se estivesse pelada
No meio da rua

Fica na sua
Quantas vezes já se encanou
Em quantas pessoas já confiou
E no final
Só se ferrou

Guarda esse seu lado bom
Pra quem entende seu coração
Não ofereça ele assim
Em vão

Não é todo mundo que sabe apreciar
Uma boa amizade 
Uma boa atitude
Sem em nada se interessar

E ainda vão te fazer de boba
Vão achar que você é louca
Por esse jeito espontâneo 
De se expressar
Vão te julgar

O lance é não ligar
Você sabe em quem confiar
Você sabe quem 
Em qualquer circunstância
Vai te amar

Não espere dos outros
Aquele comportamento exemplar
Gente perfeita
Não tá nem pra chegar
Mas aprende 
A não confiar



Aline Madruga